RSS 

 

Greenpeace avalia empresas de tecnologia
Notícias - Energia
Qua, 18 de Abril de 2012 15:06

Amazon, Apple e Twitter receberam notas baixas em um estudo divulgado nesta terça-feira (17) pela organização ambientalista Greenpeace sobre o uso de energia limpa para fazer funcionar a chamada "nuvem de dados" na internet, enquanto Facebook, Google e Yahoo! receberam elogios.

O estudo, intitulado "Quão limpa é sua nuvem?", avaliou como as empresas administram as "nuvens", ou seja, centros de armazenamento de dados on-line. Por razões de custo e espaço, estas companhias desenvolvem grandes servidores ou terceirizam os serviços, às vezes situados em outros países.

"Não estamos tentando complicar sua vida, estamos tentando incentivá-los a fazer a coisa certa", explicou a analista do Greenpeace, Casey Harrell, à France-Presse.

"Amamos nossos iPhones, que tornam nossa vida mais fácil, mas eles não devem prejudicar o planeta", acrescentou.

A Apple recebeu uma insuficiente nota "D" pela eficiência energética em centros de dados, a troca de informação sobre o uso de energia e a gestão perante diferentes entidades para fornecer energia limpa.

Além disso, levou uma nota "F" na hora de situar centros de dados em locais onde a eletricidade provém de fontes limpas no lugar do carvão, cuja queima é apontada como uma das principais responsáveis pelo aquecimento global.

No entanto, a empresa sediada em Cupertino, Califórnia (oeste dos EUA), rejeitou as conclusões do Greenpeace e disse liderar os esforços para favorecer a energia limpa.

O novo centro de dados da empresa, situado na Carolina do Norte (leste dos EUA), visa a que mais de 60% de sua energia provenha de fontes renováveis, entre elas uma fazenda solar e a instalação de células de combustível (que produzem eletricidade a partir de uma reação química).

Será "o centro de dados mais verde construído até agora" e se somará, no ano que vem, a um em Oregon (nordeste dos EUA) que funciona completamente a partir de energia renovável, afirmou a porta-voz da Apple Kristin Huguet.

A Amazon levou notas reprovatórias em tudo, exceto em eficiência energética nos centros de dados, quesito no qual sua nota foi "D".

As empresas de tecnologia tendem a não fornecer detalhes sobre o uso de energia em centros de dados por razões de concorrência e a Amazon alegou que a informação do Greenpeace era "inexata".

"A AWS (Amazon Web Services) acredita que o "cloud computing" (computação em nuvem) é por si mais ecológica do que a informática tradicional", informou a companhia em resposta a uma pergunta da France-Presse.

"Ao invés de que cada empresa tenha seu próprio centro de dados que sirva apenas a ela, a AWS torna possível que centenas de milhares de empresas consolidem seu uso em um punhado de centros de dados na nuvem da AWS", acrescentou.

Para o Greenpeace, embora a meta de eficiência em centros de dados seja alcançável, é preciso optar por energia limpa para salvaguardar o planeta.

A tendência crescente de se usar a nuvem para oferecer serviços como enviar e receber e-mails, assistir a vídeos, compartilhar fotos, participar de redes sociais e tuitar, impulsiona a demanda por centros de dados.

Se os centros de dados do mundo fossem considerados um país, ocupariam o quinto lugar em termos de consumo de eletricidade em um ranking mundial, segundo o Greenpeace.

Um fator importante na localização dos centros de dados é a eletricidade barata, o que faz com que sejam construídos em locais onde se gera energia por queima de carvão, prejudicial para o clima mundial.

Os centros de dados são tão cobiçados pelas empresas fornecedoras de eletricidade que as empresas de tecnologia têm influência para pressionar por mudanças para fontes de energia limpa, acrescentou a organização.

"O crescimento explosivo dos centros de dados é um grande problema, se continuar vinculado ao carvão, ou uma grande oportunidade", disse o chefe de imprensa do Greenpeace, David Pomerantz.

"Se o setor das tecnologias de informação impulsionar o desenvolvimento de energia solar, eólica e outras fontes renováveis poderia ser um grande fator de mudança", emendou.

O Google tem investido muito em energias renováveis e o Facebook implementou em dezembro uma política para que a disponibilidade de energia limpa seja um critério para construir centros de dados.

O Yahoo!, por sua vez, foi um dos primeiros a radicar centros de dados em locais com fontes renováveis de energia.

A lista das 14 empresas de tecnologia qualificadas pelo Greenpeace inclui IBM, Microsoft, Hewlett-Packard, Oracle e Salesforce, entre outras.

 

Leia a Edição Atual

amazonia 43.png