RSS 

 

Primeira usina de biodiesel de algas marinhas será instalada no Brasil
Notícias - Energia
Sex, 20 de Julho de 2012 08:13

Uma usina de biocombustível à base de algas marinhas será construída no Brasil no final de 2013, o projeto de maior escala já feito no mundo e que utilizará as emissões de carbono no processo de produção, informou o chefe do projeto. 

A primeira "fazenda de algas" será instalada em Pernambuco (nordeste) em uma plantação de cana-de-açúcar que produz etanol. 

Para que a usina de algas funcione, e produza anualmente 1,2 milhão de litros de biodiesel de algas, já testado em motores em laboratórios dos Estados Unidos e da Europa, além dos 2,2 milhões de etanol, é necessário CO2, que será retirado das chaminés da indústria que processa a cana-de-açúcar, reduzindo as emissões do gás para o meio ambiente.

"O CO2 acelera o processo de fotossíntese das algas, que têm um forte componente oleoso que produz e gera o combustível", explicou Rafael Bianchini, diretor da subsidiária brasileira da empresa austríaca SAT, que desenvolveu o projeto. 

Bianchini indicou que o objetivo é "transformar o CO2 das indústrias de um passivo para um ativo", aproveitando a grande emissão de carbono desperdiçado na produção de etanol de cana.

"Para cada litro de etanol produzido, é liberado um quilo de CO2 para o ambiente. Vamos aproveitar este CO2 por meio de um mecanismo para alimentar a nossa fazenda", acrescentou. Na primeira etapa do projeto, serão usados 5% das emissões da usina de cana, mas "há previsão de crescimento".

A fazenda de algas será inaugurada no final de 2013 e custará 9,8 milhões de dólares.

"Nossa missão é tentar trabalhar e chegar a zero de carbono (capturar até 100% do CO2)", disse ao jornal O Globo Carlos Beltrão, presidente do grupo JB, que comprou a primeira usina de algas.

Bianchini afirmou que o combustível de algas aguarda a autorização da Agência Nacional do Petróleo (ANP).

O Brasil é o segundo maior produtor de biocombustíveis no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos. Produz biodiesel a partir da cana-de-açúcar e da soja e, em menor medida, do milho, da palma, da gordura animal e até mesmo de sementes de linhaça.


 

Leia a Edição Atual

amazonia 43.png