RSS 

 

NERC lança programa com FAPESP
Notícias - Meio Ambiente
Qua, 20 de Junho de 2012 10:20

A FAPESP e o Natural Environment Research Council (NERC), um dos Conselhos de Pesquisa do Reino Unido (RCUK, na sigla em inglês), anunciaram nesta terça-feira (19/06), em São Paulo, o lançamento de um novo programa de pesquisa colaborativa em Processos da Biodiversidade e de Ecossistemas em Florestas Tropicais Modificadas pelo Homem.

O objetivo do programa, com duração prevista para cinco anos, é apoiar projetos de pesquisa de campo em Sabah, Malásia, e no Brasil para investigar como as mudanças em florestas tropicais afetam a biodiversidade, os serviços ambientais e o clima. As pesquisas conduzidas no Brasil serão financiadas em parceria com a FAPESP.

O objetivo do programa no Brasil é investigar se as metodologias e abordagens de pesquisa adotadas na Malásia podem ser aplicadas a estudos sobre efeitos das mudanças nas florestas sobre a biodiversidade e o funcionamento de ecossistemas de biomas no Brasil, por exemplo, na região amazônica.

A FAPESP investirá até R$ 5 milhões em cinco anos na parte brasileira do programa, que contará também com apoio de até 1,6 milhão de libras do NERC.

Os pesquisadores de instituições de ensino superior ou de pesquisa no Estado de São Paulo que desejam participar da primeira etapa do programa podem enviar propostas conjuntas até o dia 16 de agosto de 2012.

As propostas preliminares serão utilizadas para selecionar grupos de pesquisadores que serão convidados a participar de um workshop no Imperial College London no dia 27 de setembro e em seguida submeter as propostas completas.

O lançamento do programa na sede da FAPESP contou com a presença do conselheiro-chefe para Assuntos Científicos do Gabinete de Ciência e Tecnologia do Reino Unido, Sir John Beddington. Na ocasião, também foram assinados acordos de cooperação para pesquisa científica e tecnológica entre a FAPESP e as universidades de Bangor e Edinburgh e o Instituto de Educação da University of London.

“A assinatura do acordo com o NERC na semana em que ocorre a RIO+20 não poderia ser mais adequada. Os resultados de pesquisa científica darão subsídios ao manejo florestal e às decisões políticas de governos e da indústria sobre a conservação da biodiversidade e o aumento dos estoques de carbono nas florestas, que são objetivos-chave para o Brasil no programa REDD, da ONU, para redução de emissões pelo desmatamento e da degradação de florestas em países em desenvolvimento”, disse Carlos Henrique de Brito Cruz, diretor científico da FAPESP.

“A colaboração com a FAPESP é importante não apenas porque permitirá maior capacidade de compreender e administrar globalmente importantes ecossistemas brasileiros, mas porque permite que estudos em cooperação realizados no Brasil e na Malásia resultem em conhecimento aplicável em todas as regiões tropicais”, disse John Ingram, líder da área de Segurança Alimentar do NERC.

A contribuição da FAPESP para apoio à pesquisa em florestas tropicais brasileiras fará parte das atividades dos programas BIOTA e sobre Mudanças Climáticas Globais, ambos mantidos pela Fundação, e poderá utilizar a infraestrutura criada pela FAPESP tanto na Mata Atlântica como em regiões amazônicas onde apoia estudos do Experimento de Grande Escala da Biosfera-Atmosfera na Amazônia (LBA).

Mais informações sobre o programa: www.fapesp.br/7046

FAPESP

 

Leia a Edição Atual

amazonia 43.png